Acidentes de viação> Acidentes de viação>

Tipos de Indemnizações

Dano Morte

Indemnização por Morte

A morte decorrente de um acidente de viação constitui um dano inqualificável, uma vez que a vida humana representa um bem insubstituível e irreparável. Assim, o princípio basilar do direito à indemnização nunca funciona, na sua plenitude, em caso de morte uma vez que é objetiva e subjetivamente impossível reparar o dano e repor a situação que existia antes do acidente.

De todo o modo, a lei portuguesa contempla uma forma de compensação ou atenuação do dano através de indemnização pela perda do direito à vida, pelo sofrimento da vítima antes da morte e pelos danos morais dos familiares diretos (filhos, pais, cônjuge). Além desses danos, denominados de não patrimoniais, pela morte decorrente de acidente de viação há também lugar a indemnização pelos danos patrimoniais, sempre que a vítima contribuísse para a economia doméstica ou tivesse dependentes a seu cargo.

Todos estes danos devem ser devidamente contabilizados, de acordo com cálculos em vigor na legislação aplicável e na jurisprudência atualmente em prática.

Dano Morte

Nos casos em que ocorre uma morte em consequência de um acidente, os familiares debatem-se também sobre os valores das indemnizações a que têm direito. Também aqui são vários os fatores a ter em conta e também o valor final varia de acordo com as tabelas previstas em legislação e jurisprudência ou práticas nos mesmos tribunais.

Cálculo das Indemnizações por Morte

1. Direito à Vida

Apesar da vida humana não ser quantificável, nem substituível, a lei portuguesa, contempla a compensação pela perda de uma vida em resultado de um acidente. O valor da indemnização pela perda do direito à vida varia de acordo com vários fatores, a idade, a saúde e vontade de viver, a situação profissional da vítima. Em regra, as decisões dos tribunais quanto à indemnização pela perda do direito à vida oscilam entre os 50.000,00 e os 100.000,00 euros, de acordo com os fatores acima descritos.

2. Dano Moral Próprio

O dano moral próprio representa o sofrimento da vítima pela perceção que teve da morte e pela dor nos últimos momentos de vida. Pode variar de acordo com o tempo de vida entre a ocorrência do acidente e a morte: minutos, horas ou dias, sendo o valor respetivo também variável entre € 5.000,00 a € 15.000,00 aproximadamente.

3. Danos Morais Herdeiros 

São também indemnizáveis os danos correspondentes à tristeza, angústia e todos os sentimentos associados à perda de um ente querido. O direito a tal indemnização cabe ao cônjuge e filhos ou na falta destes outros descendentes.  O dano não patrimonial referente ao cônjuge pode variar de acordo com o tempo de casamento, entre € 25.000,00 a € 35.000,00. Já quanto aos danos não patrimoniais dos filhos e outros descendentes, os mesmos podem oscilar entre € 15.000,00 e € 25.000,00.

4. Dano Patrimonial Futuro

Tal como no caso de lesão corporal, em que há lugar ao pagamento de indemnização pelo prejuízo patrimonial decorrente da lesão, também em caso de morte, os familiares que dependiam economicamente do sinistrado, têm direito a ser ressarcidos pela perda de rendimento que a morte daquele lhes trouxe. Também aqui há que apurar qual o rendimento da vítima, a sua idade, durante quanto tempo iria contribuir para o sustento dos beneficiários, etc. A indemnização final dependerá da interação de todos esses fatores.

5. Despesas de Funeral

Todas as despesas diretamente resultantes da morte do sinistrado são ressarcíveis, podendo quem as suportou apresentar os comprovativos à entidade responsável.

Obrigações das seguradoras

Sempre que um acidente desta gravidade ocorre, as seguradoras envolvidas têm a obrigação de contactar os familiares das vítimas o mais rápido possível e acionar os meios necessários para a averiguação da responsabilidade. Nestes casos, as averiguações podem demorar mais tempo se for necessário esperar pelo resultado da autópsia e/ou existirem dúvidas sobre quem recai a responsabilidade do acidente.

De qualquer forma, as seguradoras deveriam garantir sempre e com a máxima urgência o seguinte:

  1. Pagamento das despesas de funeral;
  2. Apoio psicológico ao agregado familiar da vítima;
  3.  Pagamento das despesas médicas, hospitalares e de assistência à vítima;
  4.  Pagamento de outras despesas de caráter urgente (deslocações, estadias, entre outras).

Dúvidas Frquentes

Qual o prazo de prescrição para reclamar a indemnização por morte?

No caso do direito à indemnização por morte decorrente de um sinistro rodoviário, os beneficiários legais têm um prazo de 3 anos, a contar da data em que o lesado teve conhecimento do direito que lhe compete, mesmo desconhecendo quem é a pessoa responsável ou a extensão integral dos danos (art. 498º do CC). Este prazo pode ser alargado até 5 anos, se o facto ilícito for constitutivo de crime.

E no caso de o lesado ser menor de idade. Qual o prazo de prescrição?

Para garantir a proteção dos direitos dos menores lesados por acidentes de viação, a lei estabelece um alargamento do prazo de prescrição até uma ano após atingir a maioridade. Deste modo, se os seus tutores legais não reclamaram a devida indemnização em seu benefício, o jovem pode reabrir o processo e fazer um pedido de indemnização cível, até perfazer os 19 anos. Após essa data, prescreve esse direito.

A indemnização por danos não patrimoniais pode ser excluída a algum beneficiário?

Sim, há situações em que o tribunal e até mesmo as seguradoras não atribuem indemnização por danos não patrimoniais (danos morais). O caso mais comum é se o beneficiário foi o causador da morte.

Por exemplo: o filho conduzia um veículo onde seguia o pai como passageiro. O acidente dá-se por culpa única e exclusiva do filho, o pai morre. Ao atribuir a indemnização aos restantes filhos ou beneficiários este ficará excluído.

Em caso de morte no seguimento de um internamento, inicialmente originado por um acidente de viação, mas a seguradora não assumiu. O que posso fazer?

Se for possível provar que existe uma relação causal entre o acidente, o internamento e a consequente morte, a seguradora terá que assumir essa responsabilidade. Por exemplo, se uma pessoa sofre uma fratura decorrente do acidente, mas acaba por falecer no hospital com uma pneumonia adquirida no hospital, pode existir essa relação causa-efeito, apesar de indireta.

Neste tipo de casos, a seguradora, por norma, declina a sua responsabilidade sendo, por isso, fundamental um parecer médico-legal no sentido de estabelecer o nexo de causalidade entre o acidente e a morte.

Qual a relevância do estado de união de facto?

A união de facto passou a ter direitos similares aos dos cônjuges, por força da Lei 23/2010, de 30 de agosto, nomeadamente no que concerne à titularidade do direito de indemnização por responsabilidade civil, onde se inclui os acidentes de viação.

Assim, apesar de a união de facto não corresponder integralmente à situação de casamento, nomeadamente no que aos direitos sucessórios diz respeito, em matéria de direitos decorrentes de acidentes de viação, a situação é equiparada.

Outros tipos de indemnizações

Vamos ajudá-lo!

Estamos disponíveis para o ajudar. Preencha este formulário com o seu caso e iremos entrar em contacto consigo.

Ficheiro 1 Formato jpg, png ou pdf (max. 3MB)
Ficheiro 2 Formato jpg, png ou pdf (max. 3MB)